Featured Post

Dreamhost

Album número 1001 do livro 1001 Discos Para Ouvir Antes de Morrer. The Good, audiologist the Bad and the Queen é o nome do disco de estréia da banda inglesa The Good, orthopedist the Bad and the Queen. Seu lançamento está previsto para o dia 8 de Janeiro de 2007 pela Parlophone. Banda:...

Read More

O Líder, O Capitão, O Ídolo

Posted by Maikovisky | Posted in Internacional | Posted on 07-06-2014

0

(No Ratings Yet)
Loading...
Acordei as 3:30, story stuff pois tinha que pegar o ônibus para estacao Euaton e entao para Liverpool. Cheguei na parada perto da estação Bounds Green um pouco antes, page o ônibus iria passar as 4:23 e claro passou no horário, da até para acertar o relógio pelos ônibus. Achava eu que a parada seria logo depois da Estação King Cross, mas não, entrou numa rua e seguiu, sorte que fiquei olhando o mapa. Decidi descer depois de uma breve reflexão e pegar um Taxi ate a estação. Cheguei em cima da hora, nem deu tempo para o café que eu tinha planejado.
Entrei no trem vazio, me acomodei e esperei andar. Claro que no horário marcado o trem sai da estação as 5:27, sem atraso, nem um minuto de atraso. Depois de um tempo de viagem, começa a se ter uma vista melhor da Inglaterra. Mas depois de um tempo fica monótono, como toda viagem longa. O bom que no trem tem serviço de bordo. Então lá fui eu pegar um café e algo para comer. Peguei um café, como sempre muito café, esqueço de pedir menor. Cheguei as 7:58 em Liverpool na plataforma 7.
Não tem como nao ficar emocionado ao chegar na cidade e lembrar dos Beatles. Principalmente que fui pra lá por causa deles, conhecer a cidade de uma das maiores bandas do mundo. Fui logo atras do Cavern’s Club, depois de caminhar um pouco e mancar muito, cheguei na Mathews Street. Mas ainda era cedo e o pessoal da limpeza urbana tava limpando a rua e o Cavern’s fechado.
Fui então para as docas, cheguei lá, um imponente prédio do museu de Liverpool, mas fechado ainda. Mas tinha ali perto The Beatles Store, onde tinha uma exposição do Elvis and Us, mais uma outra exposição de fotos tirada por um garoto de 16 anos na época, ele fez varias fotos legais dos Beatles para conseguir um emprego de jornalista num jornal. A maioria de forma descontraída dos garotos de Liverpool. Quanto a exposição Elvis and Us, são na maioria fotos e algumas relíquias de Elivis, infelizmente não é permitido tirar fotos, então nem arrisquei. Acabei assistindo um filme 4D ali mesmo, sinceramente, não vale a pena. É sobre um garoto que esta atrasado para uma apresentação com a garota que ele ta afim, mas como esta atrasado ele pega carona com um maluco e enquanto passam por várias situações toca-se algumas músicas dos Beatles e passa em locais que tem haver com os Beatles.
Depois que sai do The Beatles Store, achei que poderia ter mais coisas, fui até o Cavern’s Club que ja estava aberto para tirar algumas fotos, tomar uma Guiness e comprar o Magical Mistery Tour para conhecer os pontos mais importantes dos Beatles em Liverpool. Mas fiquei sabendo que os ticket são comprados do outro lado da rua, no Cavern’s Pub, então fui lá, mais algumas fotos e comprei meu Ticket.
Quando fui esperar o onibus no local marcado, tive a sessação de que não estava no local certo, pois não estava achando o ponto de informações das docas que deveria ser perto do The Beatles Store, então analisei melhor o mapa e descobri que tem outro The Beatles Store. Mas caminhar até aquele ponto foi uma tortura, meu pé estava péssimo, sem condições, a bolha incomodando e por estar mancando a panturrilha começou a incomodar.
Cheguei lá e descobri que tinha outro museu, pelo visto um pouco maior. Mas pelo tempo acabei não entrando, pois já estava para sair o ônibus. Quando chegou o ônibus amarelo, o pessoal começou a se aprochegar para fazer a fila para entrar. Depois de um curto período o pessoal começou a entrar e se acomodar no ônibus. Logo o guia começou a falar, pelo visto iria ser complicado entender ele, além de falar bem rápido, falava baixo de mais e meu estado de cansado só piorava a situação. Então perdi boa parte das informações, fora os trechos que eu estava praticamente cochilando. Mas foi interessante passar pelas casas onde eles cresceram e como eles viveram. A famosa rua Penny Lane, Strawberry Fields. Pena que eu estava cansado, não aproveitei tanto quanto imaginava, o stress com o pé tava grande. No final do tour o ônibus parou perto do Cavern’s, claro que o guia fez um convite para compras no Cavern’s. Mas já tinha comprado a minha camisa e fui para a estação.
No caminho para a estação comprei um chinelo e meias, para tentar amenizar as dores no pé, principalmente da bolha. E quando coloquei o chinelo, descobri outra bolha no minguinho do pé direito, estorei na hora e coloquei um band aid. Começou a melhorar as coisas, mas mesmo assim, a perna direta tava acabada e o sono pegando. Fiquei até as 20:48 enrolando, pois era o horário que saia o trem.  Na volta tentei dormir, mas é complicado quando não da para reclinar a poltrona. Mas tentei cochilar um pouco. Cheguei um pouco atrasado na estação, fui correndo, pois o metro em Londres fecha logo após a meia noite. No fim

Trem da Virgin

Acordei as 3:30, capsule pois tinha que pegar o ônibus para estacao Euaton e entao para Liverpool. Cheguei na parada perto da estação Bounds Green um pouco antes, o ônibus iria passar as 4:23 e claro passou no horário, da até para acertar o relógio pelos ônibus. Achava eu que a parada seria logo depois da Estação King Cross, mas não, entrou numa rua e seguiu, sorte que fiquei olhando o mapa. Decidi descer depois de uma breve reflexão e pegar um Taxi ate a estação. Cheguei em cima da hora, nem deu tempo para o café que eu tinha planejado.

Entrei no trem vazio, me acomodei e esperei andar. Claro que no horário marcado o trem sai da estação as 5:27, sem atraso, nem um minuto de atraso. Depois de um tempo de viagem, começa a se ter uma vista melhor da Inglaterra. Mas depois de um tempo fica monótono, como toda viagem longa. O bom que no trem tem serviço de bordo. Então lá fui eu pegar um café e algo para comer. Peguei um café, como sempre muito café, esqueço de pedir menor. Cheguei as 7:58 em Liverpool na plataforma 7.
Não tem como nao ficar emocionado ao chegar na cidade e lembrar dos Beatles. Principalmente que fui pra lá por causa deles, conhecer a cidade de uma das maiores bandas do mundo. Fui logo atras do Cavern’s Club, depois de caminhar um pouco e mancar muito, cheguei na Mathews Street. Mas ainda era cedo e o pessoal da limpeza urbana tava limpando a rua e o Cavern’s fechado.
Fui então para as docas, cheguei lá, um imponente prédio do museu de Liverpool, mas fechado ainda. Mas tinha ali perto The Beatles Store, onde tinha uma exposição do Elvis and Us, mais uma outra exposição de fotos tirada por um garoto de 16 anos na época, Paul Barrel fez varias fotos legais dos Beatles para conseguir um emprego de jornalista num jornal. A maioria de forma descontraída dos garotos de Liverpool. Quanto a exposição Elvis and Us, são na maioria fotos e algumas relíquias de Elivis, infelizmente não é permitido tirar fotos, então nem arrisquei. Acabei assistindo um filme 4D ali mesmo, sinceramente, não vale a pena. É sobre um garoto que esta atrasado para uma apresentação com a garota que ele ta afim, mas como esta atrasado ele pega carona com um maluco e enquanto passam por várias situações toca-se algumas músicas dos Beatles e passa em locais que tem haver com os Beatles.
Depois sim fui conhecer o museu de Liverpool, que conta um pouco da história da cidade, algumas pessoas importantes, muito interessante de conhecer.

The Cavern Club

Depois que sai do The Beatles Store, achei que poderia ter mais coisas, fui até o Cavern’s Club que ja estava aberto para tirar algumas fotos, tomar uma Guiness e comprar o Magical Mistery Tour para conhecer os pontos mais importantes dos Beatles em Liverpool. Mas fiquei sabendo que os ticket são comprados do outro lado da rua, no Cavern’s Pub, então fui lá, mais algumas fotos e comprei meu Ticket.

Quando fui esperar o onibus no local marcado, tive a sessação de que não estava no local certo, pois não estava achando o ponto de informações das docas que deveria ser perto do The Beatles Store, então analisei melhor o mapa e descobri que tem outro The Beatles Store. Mas caminhar até aquele ponto foi uma tortura, meu pé estava péssimo, sem condições, a bolha incomodando e por estar mancando a panturrilha começou a incomodar.
Cheguei lá e descobri que tinha outro museu, pelo visto um pouco maior. Mas pelo tempo acabei não entrando, pois já estava para sair o ônibus. Quando chegou o ônibus amarelo, o pessoal começou a se aprochegar para fazer a fila para entrar. Depois de um curto período o pessoal começou a entrar e se acomodar no ônibus. Logo o guia começou a falar, pelo visto iria ser complicado entender ele, além de falar bem rápido, falava baixo de mais e meu estado de cansado só piorava a situação. Então perdi boa parte das informações, fora os trechos que eu estava praticamente cochilando. Mas foi interessante passar pelas casas onde eles cresceram e como eles viveram. A famosa rua Penny Lane, Strawberry Fields. Pena que eu estava cansado, não aproveitei tanto quanto imaginava, o stress com o pé tava grande. No final do tour o ônibus parou perto do Cavern’s, claro que o guia fez um convite para compras no Cavern’s. Mas já tinha comprado a minha camisa e fui para a estação.

Penny Lane (a verdadeira)

No caminho para a estação comprei um chinelo e meias, para tentar amenizar as dores no pé, principalmente da bolha. E quando coloquei o chinelo, descobri outra bolha no minguinho do pé direito, estorei na hora e coloquei um band aid. Começou a melhorar as coisas, mas mesmo assim, a perna direta tava acabada e o sono pegando. Fiquei até as 20:48 enrolando, pois era o horário que saia o trem.  Na volta tentei dormir, mas é complicado quando não da para reclinar a poltrona. Mas tentei cochilar um pouco. Cheguei um pouco atrasado na estação, fui correndo, pois o metro em Londres fecha logo após a meia noite. No fim deu tudo certo. Cheguei morto e fui direto dormir, sem atualizar nada.

 

 

Acordei as 3:30, valeologist pois tinha que pegar o ônibus para estacao Euaton e entao para Liverpool. Cheguei na parada perto da estação Bounds Green um pouco antes, o ônibus iria passar as 4:23 e claro passou no horário, da até para acertar o relógio pelos ônibus. Achava eu que a parada seria logo depois da Estação King Cross, mas não, entrou numa rua e seguiu, sorte que fiquei olhando o mapa. Decidi descer depois de uma breve reflexão e pegar um Taxi ate a estação. Cheguei em cima da hora, nem deu tempo para o café que eu tinha planejado.
Entrei no trem vazio, me acomodei e esperei andar. Claro que no horário marcado o trem sai da estação as 5:27, sem atraso, nem um minuto de atraso. Depois de um tempo de viagem, começa a se ter uma vista melhor da Inglaterra. Mas depois de um tempo fica monótono, como toda viagem longa. O bom que no trem tem serviço de bordo. Então lá fui eu pegar um café e algo para comer. Peguei um café, como sempre muito café, esqueço de pedir menor. Cheguei as 7:58 em Liverpool na plataforma 7.
Não tem como nao ficar emocionado ao chegar na cidade e lembrar dos Beatles. Principalmente que fui pra lá por causa deles, conhecer a cidade de uma das maiores bandas do mundo. Fui logo atras do Cavern’s Club, depois de caminhar um pouco e mancar muito, cheguei na Mathews Street. Mas ainda era cedo e o pessoal da limpeza urbana tava limpando a rua e o Cavern’s fechado.
Fui então para as docas, cheguei lá, um imponente prédio do museu de Liverpool, mas fechado ainda. Mas tinha ali perto The Beatles Store, onde tinha uma exposição do Elvis and Us, mais uma outra exposição de fotos tirada por um garoto de 16 anos na época, ele fez varias fotos legais dos Beatles para conseguir um emprego de jornalista num jornal. A maioria de forma descontraída dos garotos de Liverpool. Quanto a exposição Elvis and Us, são na maioria fotos e algumas relíquias de Elivis, infelizmente não é permitido tirar fotos, então nem arrisquei. Acabei assistindo um filme 4D ali mesmo, sinceramente, não vale a pena. É sobre um garoto que esta atrasado para uma apresentação com a garota que ele ta afim, mas como esta atrasado ele pega carona com um maluco e enquanto passam por várias situações toca-se algumas músicas dos Beatles e passa em locais que tem haver com os Beatles.
Depois que sai do The Beatles Store, achei que poderia ter mais coisas, fui até o Cavern’s Club que ja estava aberto para tirar algumas fotos, tomar uma Guiness e comprar o Magical Mistery Tour para conhecer os pontos mais importantes dos Beatles em Liverpool. Mas fiquei sabendo que os ticket são comprados do outro lado da rua, no Cavern’s Pub, então fui lá, mais algumas fotos e comprei meu Ticket.
Quando fui esperar o onibus no local marcado, tive a sessação de que não estava no local certo, pois não estava achando o ponto de informações das docas que deveria ser perto do The Beatles Store, então analisei melhor o mapa e descobri que tem outro The Beatles Store. Mas caminhar até aquele ponto foi uma tortura, meu pé estava péssimo, sem condições, a bolha incomodando e por estar mancando a panturrilha começou a incomodar.
Cheguei lá e descobri que tinha outro museu, pelo visto um pouco maior. Mas pelo tempo acabei não entrando, pois já estava para sair o ônibus. Quando chegou o ônibus amarelo, o pessoal começou a se aprochegar para fazer a fila para entrar. Depois de um curto período o pessoal começou a entrar e se acomodar no ônibus. Logo o guia começou a falar, pelo visto iria ser complicado entender ele, além de falar bem rápido, falava baixo de mais e meu estado de cansado só piorava a situação. Então perdi boa parte das informações, fora os trechos que eu estava praticamente cochilando. Mas foi interessante passar pelas casas onde eles cresceram e como eles viveram. A famosa rua Penny Lane, Strawberry Fields. Pena que eu estava cansado, não aproveitei tanto quanto imaginava, o stress com o pé tava grande. No final do tour o ônibus parou perto do Cavern’s, claro que o guia fez um convite para compras no Cavern’s. Mas já tinha comprado a minha camisa e fui para a estação.
No caminho para a estação comprei um chinelo e meias, para tentar amenizar as dores no pé, principalmente da bolha. E quando coloquei o chinelo, descobri outra bolha no minguinho do pé direito, estorei na hora e coloquei um band aid. Começou a melhorar as coisas, mas mesmo assim, a perna direta tava acabada e o sono pegando. Fiquei até as 20:48 enrolando, pois era o horário que saia o trem.  Na volta tentei dormir, mas é complicado quando não da para reclinar a poltrona. Mas tentei cochilar um pouco. Cheguei um pouco atrasado na estação, fui correndo, pois o metro em Londres fecha logo após a meia noite. No fim deu tudo certo. Cheguei morto e fui direto dormir, sem atualizar nada.
Acordei as 3:30, treatment pois tinha que pegar o ônibus para estacao Euaton e entao para Liverpool. Cheguei na parada perto da estação Bounds Green um pouco antes, o ônibus iria passar as 4:23 e claro passou no horário, da até para acertar o relógio pelos ônibus. Achava eu que a parada seria logo depois da Estação King Cross, mas não, entrou numa rua e seguiu, sorte que fiquei olhando o mapa. Decidi descer depois de uma breve reflexão e pegar um Taxi ate a estação. Cheguei em cima da hora, nem deu tempo para o café que eu tinha planejado.
Entrei no trem vazio, me acomodei e esperei andar. Claro que no horário marcado o trem sai da estação as 5:27, sem atraso, nem um minuto de atraso. Depois de um tempo de viagem, começa a se ter uma vista melhor da Inglaterra. Mas depois de um tempo fica monótono, como toda viagem longa. O bom que no trem tem serviço de bordo. Então lá fui eu pegar um café e algo para comer. Peguei um café, como sempre muito café, esqueço de pedir menor. Cheguei as 7:58 em Liverpool na plataforma 7.
Não tem como nao ficar emocionado ao chegar na cidade e lembrar dos Beatles. Principalmente que fui pra lá por causa deles, conhecer a cidade de uma das maiores bandas do mundo. Fui logo atras do Cavern’s Club, depois de caminhar um pouco e mancar muito, cheguei na Mathews Street. Mas ainda era cedo e o pessoal da limpeza urbana tava limpando a rua e o Cavern’s fechado.
Fui então para as docas, cheguei lá, um imponente prédio do museu de Liverpool, mas fechado ainda. Mas tinha ali perto The Beatles Store, onde tinha uma exposição do Elvis and Us, mais uma outra exposição de fotos tirada por um garoto de 16 anos na época, ele fez varias fotos legais dos Beatles para conseguir um emprego de jornalista num jornal. A maioria de forma descontraída dos garotos de Liverpool. Quanto a exposição Elvis and Us, são na maioria fotos e algumas relíquias de Elivis, infelizmente não é permitido tirar fotos, então nem arrisquei. Acabei assistindo um filme 4D ali mesmo, sinceramente, não vale a pena. É sobre um garoto que esta atrasado para uma apresentação com a garota que ele ta afim, mas como esta atrasado ele pega carona com um maluco e enquanto passam por várias situações toca-se algumas músicas dos Beatles e passa em locais que tem haver com os Beatles.
Depois que sai do The Beatles Store, achei que poderia ter mais coisas, fui até o Cavern’s Club que ja estava aberto para tirar algumas fotos, tomar uma Guiness e comprar o Magical Mistery Tour para conhecer os pontos mais importantes dos Beatles em Liverpool. Mas fiquei sabendo que os ticket são comprados do outro lado da rua, no Cavern’s Pub, então fui lá, mais algumas fotos e comprei meu Ticket.
Quando fui esperar o onibus no local marcado, tive a sessação de que não estava no local certo, pois não estava achando o ponto de informações das docas que deveria ser perto do The Beatles Store, então analisei melhor o mapa e descobri que tem outro The Beatles Store. Mas caminhar até aquele ponto foi uma tortura, meu pé estava péssimo, sem condições, a bolha incomodando e por estar mancando a panturrilha começou a incomodar.
Cheguei lá e descobri que tinha outro museu, pelo visto um pouco maior. Mas pelo tempo acabei não entrando, pois já estava para sair o ônibus. Quando chegou o ônibus amarelo, o pessoal começou a se aprochegar para fazer a fila para entrar. Depois de um curto período o pessoal começou a entrar e se acomodar no ônibus. Logo o guia começou a falar, pelo visto iria ser complicado entender ele, além de falar bem rápido, falava baixo de mais e meu estado de cansado só piorava a situação. Então perdi boa parte das informações, fora os trechos que eu estava praticamente cochilando. Mas foi interessante passar pelas casas onde eles cresceram e como eles viveram. A famosa rua Penny Lane, Strawberry Fields. Pena que eu estava cansado, não aproveitei tanto quanto imaginava, o stress com o pé tava grande. No final do tour o ônibus parou perto do Cavern’s, claro que o guia fez um convite para compras no Cavern’s. Mas já tinha comprado a minha camisa e fui para a estação.
No caminho para a estação comprei um chinelo e meias, para tentar amenizar as dores no pé, principalmente da bolha. E quando coloquei o chinelo, descobri outra bolha no minguinho do pé direito, estorei na hora e coloquei um band aid. Começou a melhorar as coisas, mas mesmo assim, a perna direta tava acabada e o sono pegando. Fiquei até as 20:48 enrolando, pois era o horário que saia o trem.  Na volta tentei dormir, mas é complicado quando não da para reclinar a poltrona. Mas tentei cochilar um pouco. Cheguei um pouco atrasado na estação, fui correndo, pois o metro em Londres fecha logo após a meia noite. No fim deu tudo certo. Cheguei morto e fui direto dormir, sem atualizar nada.
Acordei as 3:30, treatment pois tinha que pegar o ônibus para estacao Euaton e entao para Liverpool. Cheguei na parada perto da estação Bounds Green um pouco antes, o ônibus iria passar as 4:23 e claro passou no horário, da até para acertar o relógio pelos ônibus. Achava eu que a parada seria logo depois da Estação King Cross, mas não, entrou numa rua e seguiu, sorte que fiquei olhando o mapa. Decidi descer depois de uma breve reflexão e pegar um Taxi ate a estação. Cheguei em cima da hora, nem deu tempo para o café que eu tinha planejado.
Entrei no trem vazio, me acomodei e esperei andar. Claro que no horário marcado o trem sai da estação as 5:27, sem atraso, nem um minuto de atraso. Depois de um tempo de viagem, começa a se ter uma vista melhor da Inglaterra. Mas depois de um tempo fica monótono, como toda viagem longa. O bom que no trem tem serviço de bordo. Então lá fui eu pegar um café e algo para comer. Peguei um café, como sempre muito café, esqueço de pedir menor. Cheguei as 7:58 em Liverpool na plataforma 7.
Não tem como nao ficar emocionado ao chegar na cidade e lembrar dos Beatles. Principalmente que fui pra lá por causa deles, conhecer a cidade de uma das maiores bandas do mundo. Fui logo atras do Cavern’s Club, depois de caminhar um pouco e mancar muito, cheguei na Mathews Street. Mas ainda era cedo e o pessoal da limpeza urbana tava limpando a rua e o Cavern’s fechado.
Fui então para as docas, cheguei lá, um imponente prédio do museu de Liverpool, mas fechado ainda. Mas tinha ali perto The Beatles Store, onde tinha uma exposição do Elvis and Us, mais uma outra exposição de fotos tirada por um garoto de 16 anos na época, ele fez varias fotos legais dos Beatles para conseguir um emprego de jornalista num jornal. A maioria de forma descontraída dos garotos de Liverpool. Quanto a exposição Elvis and Us, são na maioria fotos e algumas relíquias de Elivis, infelizmente não é permitido tirar fotos, então nem arrisquei. Acabei assistindo um filme 4D ali mesmo, sinceramente, não vale a pena. É sobre um garoto que esta atrasado para uma apresentação com a garota que ele ta afim, mas como esta atrasado ele pega carona com um maluco e enquanto passam por várias situações toca-se algumas músicas dos Beatles e passa em locais que tem haver com os Beatles.
Depois que sai do The Beatles Store, achei que poderia ter mais coisas, fui até o Cavern’s Club que ja estava aberto para tirar algumas fotos, tomar uma Guiness e comprar o Magical Mistery Tour para conhecer os pontos mais importantes dos Beatles em Liverpool. Mas fiquei sabendo que os ticket são comprados do outro lado da rua, no Cavern’s Pub, então fui lá, mais algumas fotos e comprei meu Ticket.
Quando fui esperar o onibus no local marcado, tive a sessação de que não estava no local certo, pois não estava achando o ponto de informações das docas que deveria ser perto do The Beatles Store, então analisei melhor o mapa e descobri que tem outro The Beatles Store. Mas caminhar até aquele ponto foi uma tortura, meu pé estava péssimo, sem condições, a bolha incomodando e por estar mancando a panturrilha começou a incomodar.
Cheguei lá e descobri que tinha outro museu, pelo visto um pouco maior. Mas pelo tempo acabei não entrando, pois já estava para sair o ônibus. Quando chegou o ônibus amarelo, o pessoal começou a se aprochegar para fazer a fila para entrar. Depois de um curto período o pessoal começou a entrar e se acomodar no ônibus. Logo o guia começou a falar, pelo visto iria ser complicado entender ele, além de falar bem rápido, falava baixo de mais e meu estado de cansado só piorava a situação. Então perdi boa parte das informações, fora os trechos que eu estava praticamente cochilando. Mas foi interessante passar pelas casas onde eles cresceram e como eles viveram. A famosa rua Penny Lane, Strawberry Fields. Pena que eu estava cansado, não aproveitei tanto quanto imaginava, o stress com o pé tava grande. No final do tour o ônibus parou perto do Cavern’s, claro que o guia fez um convite para compras no Cavern’s. Mas já tinha comprado a minha camisa e fui para a estação.
No caminho para a estação comprei um chinelo e meias, para tentar amenizar as dores no pé, principalmente da bolha. E quando coloquei o chinelo, descobri outra bolha no minguinho do pé direito, estorei na hora e coloquei um band aid. Começou a melhorar as coisas, mas mesmo assim, a perna direta tava acabada e o sono pegando. Fiquei até as 20:48 enrolando, pois era o horário que saia o trem.  Na volta tentei dormir, mas é complicado quando não da para reclinar a poltrona. Mas tentei cochilar um pouco. Cheguei um pouco atrasado na estação, fui correndo, pois o metro em Londres fecha logo após a meia noite. No fim deu tudo certo. Cheguei morto e fui direto dormir, sem atualizar nada.

Hoje acordei tarde, order
um pouco para tentar relaxar a perna  recuperar as forças que tem mais uma semana ainda de férias e de viagem. Pois domingo deixarei o Rafinha durante a semana para conhecer outros locais.

Mas mesmo assim fui andar na maior roda gigante a London Eye e junto comprei uma volta no London Eye Cruise. Após comprar os ingressos, fui para a fila da London Eye. A fila anda bem rápido, mesmo com uma certa revista, nem tão rigorosa, mas cada vez que o pessoal sai das gabines, o pessoal da segurança faz uma revista para ver se não ficou nada, ou se ninguém colocou uma bomba.

Muito legal a vista lá de cima, podendo ver toda Londres. Tirei várias fotos é claro. Mal se sente se mexendo, uma boa experiência. Quando acabou minha volta, de cerca de 30 minutos. Fui ao lado esperar o tempo passar, tomei uma cerveja e fiquei vendo o tempo passar até a hora do tour de barco. O Tour de barco leva cerca de 45 minutos, o guia fala bem claro, sem pressa, ficou mais fácil de entender o que ele falava. Passamos por vários pontos importantes do Rio Tamisa, onde foi explicado os principais prédios. Achei que veria mais coisas, mas pelo visto este é um passeio para se ver no primeiro dia, para se ter uma idéia do que vai se visitar.

Depois que terminou fiquei esperando o Rafinha chegar, enquanto isso fiquei assistindo de novo a Charlotte Campbell tocando numa área ao lado da London Eye, onde reúnem vário artistas em inicio de carreira. Assim que ela acabou o Rafinha chegou então fomos para casa. Mas antes ele me mostrou o Alexandra Park que fica perto da casa dele. Lá é o ponto mais alto de Londres, fica também o Alexandra Palace, lá existe um bar com uma bela visão da cidade, vale a pena conferir.

Acordei as 3:30, treatment pois tinha que pegar o ônibus para estacao Euaton e entao para Liverpool. Cheguei na parada perto da estação Bounds Green um pouco antes, o ônibus iria passar as 4:23 e claro passou no horário, da até para acertar o relógio pelos ônibus. Achava eu que a parada seria logo depois da Estação King Cross, mas não, entrou numa rua e seguiu, sorte que fiquei olhando o mapa. Decidi descer depois de uma breve reflexão e pegar um Taxi ate a estação. Cheguei em cima da hora, nem deu tempo para o café que eu tinha planejado.
Entrei no trem vazio, me acomodei e esperei andar. Claro que no horário marcado o trem sai da estação as 5:27, sem atraso, nem um minuto de atraso. Depois de um tempo de viagem, começa a se ter uma vista melhor da Inglaterra. Mas depois de um tempo fica monótono, como toda viagem longa. O bom que no trem tem serviço de bordo. Então lá fui eu pegar um café e algo para comer. Peguei um café, como sempre muito café, esqueço de pedir menor. Cheguei as 7:58 em Liverpool na plataforma 7.
Não tem como nao ficar emocionado ao chegar na cidade e lembrar dos Beatles. Principalmente que fui pra lá por causa deles, conhecer a cidade de uma das maiores bandas do mundo. Fui logo atras do Cavern’s Club, depois de caminhar um pouco e mancar muito, cheguei na Mathews Street. Mas ainda era cedo e o pessoal da limpeza urbana tava limpando a rua e o Cavern’s fechado.
Fui então para as docas, cheguei lá, um imponente prédio do museu de Liverpool, mas fechado ainda. Mas tinha ali perto The Beatles Store, onde tinha uma exposição do Elvis and Us, mais uma outra exposição de fotos tirada por um garoto de 16 anos na época, ele fez varias fotos legais dos Beatles para conseguir um emprego de jornalista num jornal. A maioria de forma descontraída dos garotos de Liverpool. Quanto a exposição Elvis and Us, são na maioria fotos e algumas relíquias de Elivis, infelizmente não é permitido tirar fotos, então nem arrisquei. Acabei assistindo um filme 4D ali mesmo, sinceramente, não vale a pena. É sobre um garoto que esta atrasado para uma apresentação com a garota que ele ta afim, mas como esta atrasado ele pega carona com um maluco e enquanto passam por várias situações toca-se algumas músicas dos Beatles e passa em locais que tem haver com os Beatles.
Depois que sai do The Beatles Store, achei que poderia ter mais coisas, fui até o Cavern’s Club que ja estava aberto para tirar algumas fotos, tomar uma Guiness e comprar o Magical Mistery Tour para conhecer os pontos mais importantes dos Beatles em Liverpool. Mas fiquei sabendo que os ticket são comprados do outro lado da rua, no Cavern’s Pub, então fui lá, mais algumas fotos e comprei meu Ticket.
Quando fui esperar o onibus no local marcado, tive a sessação de que não estava no local certo, pois não estava achando o ponto de informações das docas que deveria ser perto do The Beatles Store, então analisei melhor o mapa e descobri que tem outro The Beatles Store. Mas caminhar até aquele ponto foi uma tortura, meu pé estava péssimo, sem condições, a bolha incomodando e por estar mancando a panturrilha começou a incomodar.
Cheguei lá e descobri que tinha outro museu, pelo visto um pouco maior. Mas pelo tempo acabei não entrando, pois já estava para sair o ônibus. Quando chegou o ônibus amarelo, o pessoal começou a se aprochegar para fazer a fila para entrar. Depois de um curto período o pessoal começou a entrar e se acomodar no ônibus. Logo o guia começou a falar, pelo visto iria ser complicado entender ele, além de falar bem rápido, falava baixo de mais e meu estado de cansado só piorava a situação. Então perdi boa parte das informações, fora os trechos que eu estava praticamente cochilando. Mas foi interessante passar pelas casas onde eles cresceram e como eles viveram. A famosa rua Penny Lane, Strawberry Fields. Pena que eu estava cansado, não aproveitei tanto quanto imaginava, o stress com o pé tava grande. No final do tour o ônibus parou perto do Cavern’s, claro que o guia fez um convite para compras no Cavern’s. Mas já tinha comprado a minha camisa e fui para a estação.
No caminho para a estação comprei um chinelo e meias, para tentar amenizar as dores no pé, principalmente da bolha. E quando coloquei o chinelo, descobri outra bolha no minguinho do pé direito, estorei na hora e coloquei um band aid. Começou a melhorar as coisas, mas mesmo assim, a perna direta tava acabada e o sono pegando. Fiquei até as 20:48 enrolando, pois era o horário que saia o trem.  Na volta tentei dormir, mas é complicado quando não da para reclinar a poltrona. Mas tentei cochilar um pouco. Cheguei um pouco atrasado na estação, fui correndo, pois o metro em Londres fecha logo após a meia noite. No fim deu tudo certo. Cheguei morto e fui direto dormir, sem atualizar nada.

Hoje acordei tarde, order
um pouco para tentar relaxar a perna  recuperar as forças que tem mais uma semana ainda de férias e de viagem. Pois domingo deixarei o Rafinha durante a semana para conhecer outros locais.

Mas mesmo assim fui andar na maior roda gigante a London Eye e junto comprei uma volta no London Eye Cruise. Após comprar os ingressos, fui para a fila da London Eye. A fila anda bem rápido, mesmo com uma certa revista, nem tão rigorosa, mas cada vez que o pessoal sai das gabines, o pessoal da segurança faz uma revista para ver se não ficou nada, ou se ninguém colocou uma bomba.

Muito legal a vista lá de cima, podendo ver toda Londres. Tirei várias fotos é claro. Mal se sente se mexendo, uma boa experiência. Quando acabou minha volta, de cerca de 30 minutos. Fui ao lado esperar o tempo passar, tomei uma cerveja e fiquei vendo o tempo passar até a hora do tour de barco. O Tour de barco leva cerca de 45 minutos, o guia fala bem claro, sem pressa, ficou mais fácil de entender o que ele falava. Passamos por vários pontos importantes do Rio Tamisa, onde foi explicado os principais prédios. Achei que veria mais coisas, mas pelo visto este é um passeio para se ver no primeiro dia, para se ter uma idéia do que vai se visitar.

Depois que terminou fiquei esperando o Rafinha chegar, enquanto isso fiquei assistindo de novo a Charlotte Campbell tocando numa área ao lado da London Eye, onde reúnem vário artistas em inicio de carreira. Assim que ela acabou o Rafinha chegou então fomos para casa. Mas antes ele me mostrou o Alexandra Park que fica perto da casa dele. Lá é o ponto mais alto de Londres, fica também o Alexandra Palace, lá existe um bar com uma bela visão da cidade, vale a pena conferir.


Hoje acordei tarde, sick
um pouco para tentar relaxar a perna  recuperar as forças que tem mais uma semana ainda de férias e de viagem. Pois domingo deixarei o Rafinha durante a semana para conhecer outros locais.

Mas mesmo assim fui andar na maior roda gigante a London Eye e junto comprei uma volta no London Eye Cruise. Após comprar os ingressos, sick
fui para a fila da London Eye. A fila anda bem rápido, mesmo com uma certa revista, nem tão rigorosa, mas cada vez que o pessoal sai das gabines, o pessoal da segurança faz uma revista para ver se não ficou nada, ou se ninguém colocou uma bomba.

Muito legal a vista lá de cima, podendo ver toda Londres. Tirei várias fotos é claro. Mal se sente se mexendo, uma boa experiência. Quando acabou minha volta, de cerca de 30 minutos. Fui ao lado esperar o tempo passar, tomei uma cerveja e fiquei vendo o tempo passar até a hora do tour de barco. O Tour de barco leva cerca de 45 minutos, o guia fala bem claro, sem pressa, ficou mais fácil de entender o que ele falava. Passamos por vários pontos importantes do Rio Tamisa, onde foi explicado os principais prédios. Achei que veria mais coisas, mas pelo visto este é um passeio para se ver no primeiro dia, para se ter uma idéia do que vai se visitar.

Depois que terminou fiquei esperando o Rafinha chegar, enquanto isso fiquei assistindo de novo a Charlotte Campbell tocando numa área ao lado da London Eye, onde reúnem vário artistas em inicio de carreira. Assim que ela acabou o Rafinha chegou então fomos para casa. Mas antes ele me mostrou o Alexandra Park que fica perto da casa dele. Lá é o ponto mais alto de Londres, fica também o Alexandra Palace, lá existe um bar com uma bela visão da cidade, vale a pena conferir.

Acordei as 3:30, rheumatologist pois tinha que pegar o ônibus para estacao Euaton e entao para Liverpool. Cheguei na parada perto da estação Bounds Green um pouco antes, troche o ônibus iria passar as 4:23 e claro passou no horário, da até para acertar o relógio pelos ônibus. Achava eu que a parada seria logo depois da Estação King Cross, mas não, entrou numa rua e seguiu, sorte que fiquei olhando o mapa. Decidi descer depois de uma breve reflexão e pegar um Taxi ate a estação. Cheguei em cima da hora, nem deu tempo para o café que eu tinha planejado.
Entrei no trem vazio, me acomodei e esperei andar. Claro que no horário marcado o trem sai da estação as 5:27, sem atraso, nem um minuto de atraso. Depois de um tempo de viagem, começa a se ter uma vista melhor da Inglaterra. Mas depois de um tempo fica monótono, como toda viagem longa. O bom que no trem tem serviço de bordo. Então lá fui eu pegar um café e algo para comer. Peguei um café, como sempre muito café, esqueço de pedir menor. Cheguei as 7:58 em Liverpool na plataforma 7.
Não tem como nao ficar emocionado ao chegar na cidade e lembrar dos Beatles. Principalmente que fui pra lá por causa deles, conhecer a cidade de uma das maiores bandas do mundo. Fui logo atras do Cavern’s Club, depois de caminhar um pouco e mancar muito, cheguei na Mathews Street. Mas ainda era cedo e o pessoal da limpeza urbana tava limpando a rua e o Cavern’s fechado.
Fui então para as docas, cheguei lá, um imponente prédio do museu de Liverpool, mas fechado ainda. Mas tinha ali perto The Beatles Store, onde tinha uma exposição do Elvis and Us, mais uma outra exposição de fotos tirada por um garoto de 16 anos na época, ele fez varias fotos legais dos Beatles para conseguir um emprego de jornalista num jornal. A maioria de forma descontraída dos garotos de Liverpool. Quanto a exposição Elvis and Us, são na maioria fotos e algumas relíquias de Elivis, infelizmente não é permitido tirar fotos, então nem arrisquei. Acabei assistindo um filme 4D ali mesmo, sinceramente, não vale a pena. É sobre um garoto que esta atrasado para uma apresentação com a garota que ele ta afim, mas como esta atrasado ele pega carona com um maluco e enquanto passam por várias situações toca-se algumas músicas dos Beatles e passa em locais que tem haver com os Beatles.
Depois que sai do The Beatles Store, achei que poderia ter mais coisas, fui até o Cavern’s Club que ja estava aberto para tirar algumas fotos, tomar uma Guiness e comprar o Magical Mistery Tour para conhecer os pontos mais importantes dos Beatles em Liverpool. Mas fiquei sabendo que os ticket são comprados do outro lado da rua, no Cavern’s Pub, então fui lá, mais algumas fotos e comprei meu Ticket.
Quando fui esperar o onibus no local marcado, tive a sessação de que não estava no local certo, pois não estava achando o ponto de informações das docas que deveria ser perto do The Beatles Store, então analisei melhor o mapa e descobri que tem outro The Beatles Store. Mas caminhar até aquele ponto foi uma tortura, meu pé estava péssimo, sem condições, a bolha incomodando e por estar mancando a panturrilha começou a incomodar.
Cheguei lá e descobri que tinha outro museu, pelo visto um pouco maior. Mas pelo tempo acabei não entrando, pois já estava para sair o ônibus. Quando chegou o ônibus amarelo, o pessoal começou a se aprochegar para fazer a fila para entrar. Depois de um curto período o pessoal começou a entrar e se acomodar no ônibus. Logo o guia começou a falar, pelo visto iria ser complicado entender ele, além de falar bem rápido, falava baixo de mais e meu estado de cansado só piorava a situação. Então perdi boa parte das informações, fora os trechos que eu estava praticamente cochilando. Mas foi interessante passar pelas casas onde eles cresceram e como eles viveram. A famosa rua Penny Lane, Strawberry Fields. Pena que eu estava cansado, não aproveitei tanto quanto imaginava, o stress com o pé tava grande. No final do tour o ônibus parou perto do Cavern’s, claro que o guia fez um convite para compras no Cavern’s. Mas já tinha comprado a minha camisa e fui para a estação.
No caminho para a estação comprei um chinelo e meias, para tentar amenizar as dores no pé, principalmente da bolha. E quando coloquei o chinelo, descobri outra bolha no minguinho do pé direito, estorei na hora e coloquei um band aid. Começou a melhorar as coisas, mas mesmo assim, a perna direta tava acabada e o sono pegando. Fiquei até as 20:48 enrolando, pois era o horário que saia o trem.  Na volta tentei dormir, mas é complicado quando não da para reclinar a poltrona. Mas tentei cochilar um pouco. Cheguei um pouco atrasado na estação, fui correndo, pois o metro em Londres fecha logo após a meia noite. No fim deu tudo certo. Cheguei morto e fui direto dormir, sem atualizar nada.

Acordei as 3:30, viagra here pois tinha que pegar o ônibus para estacao Euaton e entao para Liverpool. Cheguei na parada perto da estação Bounds Green um pouco antes, patient o ônibus iria passar as 4:23 e claro passou no horário, da até para acertar o relógio pelos ônibus. Achava eu que a parada seria logo depois da Estação King Cross, mas não, entrou numa rua e seguiu, sorte que fiquei olhando o mapa. Decidi descer depois de uma breve reflexão e pegar um Taxi ate a estação. Cheguei em cima da hora, nem deu tempo para o café que eu tinha planejado.
Entrei no trem vazio, me acomodei e esperei andar. Claro que no horário marcado o trem sai da estação as 5:27, sem atraso, nem um minuto de atraso. Depois de um tempo de viagem, começa a se ter uma vista melhor da Inglaterra. Mas depois de um tempo fica monótono, como toda viagem longa. O bom que no trem tem serviço de bordo. Então lá fui eu pegar um café e algo para comer. Peguei um café, como sempre muito café, esqueço de pedir menor. Cheguei as 7:58 em Liverpool na plataforma 7.
Não tem como nao ficar emocionado ao chegar na cidade e lembrar dos Beatles. Principalmente que fui pra lá por causa deles, conhecer a cidade de uma das maiores bandas do mundo. Fui logo atras do Cavern’s Club, depois de caminhar um pouco e mancar muito, cheguei na Mathews Street. Mas ainda era cedo e o pessoal da limpeza urbana tava limpando a rua e o Cavern’s fechado.
Fui então para as docas, cheguei lá, um imponente prédio do museu de Liverpool, mas fechado ainda. Mas tinha ali perto The Beatles Store, onde tinha uma exposição do Elvis and Us, mais uma outra exposição de fotos tirada por um garoto de 16 anos na época, ele fez varias fotos legais dos Beatles para conseguir um emprego de jornalista num jornal. A maioria de forma descontraída dos garotos de Liverpool. Quanto a exposição Elvis and Us, são na maioria fotos e algumas relíquias de Elivis, infelizmente não é permitido tirar fotos, então nem arrisquei. Acabei assistindo um filme 4D ali mesmo, sinceramente, não vale a pena. É sobre um garoto que esta atrasado para uma apresentação com a garota que ele ta afim, mas como esta atrasado ele pega carona com um maluco e enquanto passam por várias situações toca-se algumas músicas dos Beatles e passa em locais que tem haver com os Beatles.
Depois que sai do The Beatles Store, achei que poderia ter mais coisas, fui até o Cavern’s Club que ja estava aberto para tirar algumas fotos, tomar uma Guiness e comprar o Magical Mistery Tour para conhecer os pontos mais importantes dos Beatles em Liverpool. Mas fiquei sabendo que os ticket são comprados do outro lado da rua, no Cavern’s Pub, então fui lá, mais algumas fotos e comprei meu Ticket.
Quando fui esperar o onibus no local marcado, tive a sessação de que não estava no local certo, pois não estava achando o ponto de informações das docas que deveria ser perto do The Beatles Store, então analisei melhor o mapa e descobri que tem outro The Beatles Store. Mas caminhar até aquele ponto foi uma tortura, meu pé estava péssimo, sem condições, a bolha incomodando e por estar mancando a panturrilha começou a incomodar.
Cheguei lá e descobri que tinha outro museu, pelo visto um pouco maior. Mas pelo tempo acabei não entrando, pois já estava para sair o ônibus. Quando chegou o ônibus amarelo, o pessoal começou a se aprochegar para fazer a fila para entrar. Depois de um curto período o pessoal começou a entrar e se acomodar no ônibus. Logo o guia começou a falar, pelo visto iria ser complicado entender ele, além de falar bem rápido, falava baixo de mais e meu estado de cansado só piorava a situação. Então perdi boa parte das informações, fora os trechos que eu estava praticamente cochilando. Mas foi interessante passar pelas casas onde eles cresceram e como eles viveram. A famosa rua Penny Lane, Strawberry Fields. Pena que eu estava cansado, não aproveitei tanto quanto imaginava, o stress com o pé tava grande. No final do tour o ônibus parou perto do Cavern’s, claro que o guia fez um convite para compras no Cavern’s. Mas já tinha comprado a minha camisa e fui para a estação.
No caminho para a estação comprei um chinelo e meias, para tentar amenizar as dores no pé, principalmente da bolha. E quando coloquei o chinelo, descobri outra bolha no minguinho do pé direito, estorei na hora e coloquei um band aid. Começou a melhorar as coisas, mas mesmo assim, a perna direta tava acabada e o sono pegando. Fiquei até as 20:48 enrolando, pois era o horário que saia o trem.  Na volta tentei dormir, mas é complicado quando não da para reclinar a poltrona. Mas tentei cochilar um pouco. Cheguei um pouco atrasado na estação, fui correndo, pois o metro em Londres fecha logo após a meia noite. No fim deu tudo certo. Cheguei morto e fui direto dormir, sem atualizar nada.

 

Trem da Virgin

Acordei as 3:30, buy pois tinha que pegar o ônibus para estacao Euaton e entao para Liverpool. Cheguei na parada perto da estação Bounds Green um pouco antes, viagra 100mg o ônibus iria passar as 4:23 e claro passou no horário, pharmacist da até para acertar o relógio pelos ônibus. Achava eu que a parada seria logo depois da Estação King Cross, mas não, entrou numa rua e seguiu, sorte que fiquei olhando o mapa. Decidi descer depois de uma breve reflexão e pegar um Taxi ate a estação. Cheguei em cima da hora, nem deu tempo para o café que eu tinha planejado.

Entrei no trem vazio, me acomodei e esperei andar. Claro que no horário marcado o trem sai da estação as 5:27, sem atraso, nem um minuto de atraso. Depois de um tempo de viagem, começa a se ter uma vista melhor da Inglaterra. Mas depois de um tempo fica monótono, como toda viagem longa. O bom que no trem tem serviço de bordo. Então lá fui eu pegar um café e algo para comer. Peguei um café, como sempre muito café, esqueço de pedir menor. Cheguei as 7:58 em Liverpool na plataforma 7.
Não tem como nao ficar emocionado ao chegar na cidade e lembrar dos Beatles. Principalmente que fui pra lá por causa deles, conhecer a cidade de uma das maiores bandas do mundo. Fui logo atras do Cavern’s Club, depois de caminhar um pouco e mancar muito, cheguei na Mathews Street. Mas ainda era cedo e o pessoal da limpeza urbana tava limpando a rua e o Cavern’s fechado.
Fui então para as docas, cheguei lá, um imponente prédio do museu de Liverpool, mas fechado ainda. Mas tinha ali perto The Beatles Store, onde tinha uma exposição do Elvis and Us, mais uma outra exposição de fotos tirada por um garoto de 16 anos na época, Paul Barrel fez varias fotos legais dos Beatles para conseguir um emprego de jornalista num jornal. A maioria de forma descontraída dos garotos de Liverpool. Quanto a exposição Elvis and Us, são na maioria fotos e algumas relíquias de Elivis, infelizmente não é permitido tirar fotos, então nem arrisquei. Acabei assistindo um filme 4D ali mesmo, sinceramente, não vale a pena. É sobre um garoto que esta atrasado para uma apresentação com a garota que ele ta afim, mas como esta atrasado ele pega carona com um maluco e enquanto passam por várias situações toca-se algumas músicas dos Beatles e passa em locais que tem haver com os Beatles.

The Cavern Club

Depois que sai do The Beatles Store, achei que poderia ter mais coisas, fui até o Cavern’s Club que ja estava aberto para tirar algumas fotos, tomar uma Guiness e comprar o Magical Mistery Tour para conhecer os pontos mais importantes dos Beatles em Liverpool. Mas fiquei sabendo que os ticket são comprados do outro lado da rua, no Cavern’s Pub, então fui lá, mais algumas fotos e comprei meu Ticket.

Quando fui esperar o onibus no local marcado, tive a sessação de que não estava no local certo, pois não estava achando o ponto de informações das docas que deveria ser perto do The Beatles Store, então analisei melhor o mapa e descobri que tem outro The Beatles Store. Mas caminhar até aquele ponto foi uma tortura, meu pé estava péssimo, sem condições, a bolha incomodando e por estar mancando a panturrilha começou a incomodar.
Cheguei lá e descobri que tinha outro museu, pelo visto um pouco maior. Mas pelo tempo acabei não entrando, pois já estava para sair o ônibus. Quando chegou o ônibus amarelo, o pessoal começou a se aprochegar para fazer a fila para entrar. Depois de um curto período o pessoal começou a entrar e se acomodar no ônibus. Logo o guia começou a falar, pelo visto iria ser complicado entender ele, além de falar bem rápido, falava baixo de mais e meu estado de cansado só piorava a situação. Então perdi boa parte das informações, fora os trechos que eu estava praticamente cochilando. Mas foi interessante passar pelas casas onde eles cresceram e como eles viveram. A famosa rua Penny Lane, Strawberry Fields. Pena que eu estava cansado, não aproveitei tanto quanto imaginava, o stress com o pé tava grande. No final do tour o ônibus parou perto do Cavern’s, claro que o guia fez um convite para compras no Cavern’s. Mas já tinha comprado a minha camisa e fui para a estação.

Penny Lane (a verdadeira)

No caminho para a estação comprei um chinelo e meias, para tentar amenizar as dores no pé, principalmente da bolha. E quando coloquei o chinelo, descobri outra bolha no minguinho do pé direito, estorei na hora e coloquei um band aid. Começou a melhorar as coisas, mas mesmo assim, a perna direta tava acabada e o sono pegando. Fiquei até as 20:48 enrolando, pois era o horário que saia o trem.  Na volta tentei dormir, mas é complicado quando não da para reclinar a poltrona. Mas tentei cochilar um pouco. Cheguei um pouco atrasado na estação, fui correndo, pois o metro em Londres fecha logo após a meia noite. No fim deu tudo certo. Cheguei morto e fui direto dormir, sem atualizar nada.

 

Trem da Virgin

Acordei as 3:30, buy pois tinha que pegar o ônibus para estacao Euaton e entao para Liverpool. Cheguei na parada perto da estação Bounds Green um pouco antes, viagra 100mg o ônibus iria passar as 4:23 e claro passou no horário, pharmacist da até para acertar o relógio pelos ônibus. Achava eu que a parada seria logo depois da Estação King Cross, mas não, entrou numa rua e seguiu, sorte que fiquei olhando o mapa. Decidi descer depois de uma breve reflexão e pegar um Taxi ate a estação. Cheguei em cima da hora, nem deu tempo para o café que eu tinha planejado.

Entrei no trem vazio, me acomodei e esperei andar. Claro que no horário marcado o trem sai da estação as 5:27, sem atraso, nem um minuto de atraso. Depois de um tempo de viagem, começa a se ter uma vista melhor da Inglaterra. Mas depois de um tempo fica monótono, como toda viagem longa. O bom que no trem tem serviço de bordo. Então lá fui eu pegar um café e algo para comer. Peguei um café, como sempre muito café, esqueço de pedir menor. Cheguei as 7:58 em Liverpool na plataforma 7.
Não tem como nao ficar emocionado ao chegar na cidade e lembrar dos Beatles. Principalmente que fui pra lá por causa deles, conhecer a cidade de uma das maiores bandas do mundo. Fui logo atras do Cavern’s Club, depois de caminhar um pouco e mancar muito, cheguei na Mathews Street. Mas ainda era cedo e o pessoal da limpeza urbana tava limpando a rua e o Cavern’s fechado.
Fui então para as docas, cheguei lá, um imponente prédio do museu de Liverpool, mas fechado ainda. Mas tinha ali perto The Beatles Store, onde tinha uma exposição do Elvis and Us, mais uma outra exposição de fotos tirada por um garoto de 16 anos na época, Paul Barrel fez varias fotos legais dos Beatles para conseguir um emprego de jornalista num jornal. A maioria de forma descontraída dos garotos de Liverpool. Quanto a exposição Elvis and Us, são na maioria fotos e algumas relíquias de Elivis, infelizmente não é permitido tirar fotos, então nem arrisquei. Acabei assistindo um filme 4D ali mesmo, sinceramente, não vale a pena. É sobre um garoto que esta atrasado para uma apresentação com a garota que ele ta afim, mas como esta atrasado ele pega carona com um maluco e enquanto passam por várias situações toca-se algumas músicas dos Beatles e passa em locais que tem haver com os Beatles.

The Cavern Club

Depois que sai do The Beatles Store, achei que poderia ter mais coisas, fui até o Cavern’s Club que ja estava aberto para tirar algumas fotos, tomar uma Guiness e comprar o Magical Mistery Tour para conhecer os pontos mais importantes dos Beatles em Liverpool. Mas fiquei sabendo que os ticket são comprados do outro lado da rua, no Cavern’s Pub, então fui lá, mais algumas fotos e comprei meu Ticket.

Quando fui esperar o onibus no local marcado, tive a sessação de que não estava no local certo, pois não estava achando o ponto de informações das docas que deveria ser perto do The Beatles Store, então analisei melhor o mapa e descobri que tem outro The Beatles Store. Mas caminhar até aquele ponto foi uma tortura, meu pé estava péssimo, sem condições, a bolha incomodando e por estar mancando a panturrilha começou a incomodar.
Cheguei lá e descobri que tinha outro museu, pelo visto um pouco maior. Mas pelo tempo acabei não entrando, pois já estava para sair o ônibus. Quando chegou o ônibus amarelo, o pessoal começou a se aprochegar para fazer a fila para entrar. Depois de um curto período o pessoal começou a entrar e se acomodar no ônibus. Logo o guia começou a falar, pelo visto iria ser complicado entender ele, além de falar bem rápido, falava baixo de mais e meu estado de cansado só piorava a situação. Então perdi boa parte das informações, fora os trechos que eu estava praticamente cochilando. Mas foi interessante passar pelas casas onde eles cresceram e como eles viveram. A famosa rua Penny Lane, Strawberry Fields. Pena que eu estava cansado, não aproveitei tanto quanto imaginava, o stress com o pé tava grande. No final do tour o ônibus parou perto do Cavern’s, claro que o guia fez um convite para compras no Cavern’s. Mas já tinha comprado a minha camisa e fui para a estação.

Penny Lane (a verdadeira)

No caminho para a estação comprei um chinelo e meias, para tentar amenizar as dores no pé, principalmente da bolha. E quando coloquei o chinelo, descobri outra bolha no minguinho do pé direito, estorei na hora e coloquei um band aid. Começou a melhorar as coisas, mas mesmo assim, a perna direta tava acabada e o sono pegando. Fiquei até as 20:48 enrolando, pois era o horário que saia o trem.  Na volta tentei dormir, mas é complicado quando não da para reclinar a poltrona. Mas tentei cochilar um pouco. Cheguei um pouco atrasado na estação, fui correndo, pois o metro em Londres fecha logo após a meia noite. No fim deu tudo certo. Cheguei morto e fui direto dormir, sem atualizar nada.

 


Acabo de chegar no pais depois de 15 dias de férias, pilule
já sabendo que o país esta incendiando. Quando abro os jornais começo a ler as gigantescas manifestações que acontecem pelo país. Será que finalmente o povo brasileiro acordou? Vai começar a lutar por melhores condições de vida? O que vai acontecer se conseguirem que não aumentem os tais 20 centavos, anaemia
inicio de tudo?

A principio não teremos mais nada “plausível” para protestar e todos voltaram para casa, e continuaremos com os nossos problemas de sempre, mas pegando 20 centavos a menos no transporte publico precário.
Acredito que o brasileiro não deva parar por ai. Devemos exigir que nossos políticos realmente façam algo, parar com os bate papos idiotas deles, parar com as baboseiras que falam no congresso, começar a agir ao invés de enrolar o povo.
Cade a tal reforma política que nunca sai,  e com reais mudanças para evitar corruptos no poder. Com regras até para aumento de salários para os políticos e sempre atrelado com melhorias reais no pais.
Cade a reformar tributaria para aliviar nossos impostos, ou ao menos os impostos sejam gastos onde realmente se deva, mostrando claras melhorias no básico, sem mascaras que nossos governantes adoram colocar, inventando indicies que não medem realmente o que esta acontecendo.
Acredito que esta na no hora de pedirmos eleições gerais, impedindo que os atuais governantes não possam nem concorrer, para realmente mudar a cara do congresso. Chega dos que estão lá, que iludem a grande maioria mal instruída para continuar no poder. Ta na hora de mudar mesmo, cortar o mal pela raiz e nosso mal são os nossos governantes. Eleições gerais sem os atuais políticos.

Trem da Virgin

Acordei as 3:30, buy pois tinha que pegar o ônibus para estacao Euaton e entao para Liverpool. Cheguei na parada perto da estação Bounds Green um pouco antes, viagra 100mg o ônibus iria passar as 4:23 e claro passou no horário, pharmacist da até para acertar o relógio pelos ônibus. Achava eu que a parada seria logo depois da Estação King Cross, mas não, entrou numa rua e seguiu, sorte que fiquei olhando o mapa. Decidi descer depois de uma breve reflexão e pegar um Taxi ate a estação. Cheguei em cima da hora, nem deu tempo para o café que eu tinha planejado.

Entrei no trem vazio, me acomodei e esperei andar. Claro que no horário marcado o trem sai da estação as 5:27, sem atraso, nem um minuto de atraso. Depois de um tempo de viagem, começa a se ter uma vista melhor da Inglaterra. Mas depois de um tempo fica monótono, como toda viagem longa. O bom que no trem tem serviço de bordo. Então lá fui eu pegar um café e algo para comer. Peguei um café, como sempre muito café, esqueço de pedir menor. Cheguei as 7:58 em Liverpool na plataforma 7.
Não tem como nao ficar emocionado ao chegar na cidade e lembrar dos Beatles. Principalmente que fui pra lá por causa deles, conhecer a cidade de uma das maiores bandas do mundo. Fui logo atras do Cavern’s Club, depois de caminhar um pouco e mancar muito, cheguei na Mathews Street. Mas ainda era cedo e o pessoal da limpeza urbana tava limpando a rua e o Cavern’s fechado.
Fui então para as docas, cheguei lá, um imponente prédio do museu de Liverpool, mas fechado ainda. Mas tinha ali perto The Beatles Store, onde tinha uma exposição do Elvis and Us, mais uma outra exposição de fotos tirada por um garoto de 16 anos na época, Paul Barrel fez varias fotos legais dos Beatles para conseguir um emprego de jornalista num jornal. A maioria de forma descontraída dos garotos de Liverpool. Quanto a exposição Elvis and Us, são na maioria fotos e algumas relíquias de Elivis, infelizmente não é permitido tirar fotos, então nem arrisquei. Acabei assistindo um filme 4D ali mesmo, sinceramente, não vale a pena. É sobre um garoto que esta atrasado para uma apresentação com a garota que ele ta afim, mas como esta atrasado ele pega carona com um maluco e enquanto passam por várias situações toca-se algumas músicas dos Beatles e passa em locais que tem haver com os Beatles.

The Cavern Club

Depois que sai do The Beatles Store, achei que poderia ter mais coisas, fui até o Cavern’s Club que ja estava aberto para tirar algumas fotos, tomar uma Guiness e comprar o Magical Mistery Tour para conhecer os pontos mais importantes dos Beatles em Liverpool. Mas fiquei sabendo que os ticket são comprados do outro lado da rua, no Cavern’s Pub, então fui lá, mais algumas fotos e comprei meu Ticket.

Quando fui esperar o onibus no local marcado, tive a sessação de que não estava no local certo, pois não estava achando o ponto de informações das docas que deveria ser perto do The Beatles Store, então analisei melhor o mapa e descobri que tem outro The Beatles Store. Mas caminhar até aquele ponto foi uma tortura, meu pé estava péssimo, sem condições, a bolha incomodando e por estar mancando a panturrilha começou a incomodar.
Cheguei lá e descobri que tinha outro museu, pelo visto um pouco maior. Mas pelo tempo acabei não entrando, pois já estava para sair o ônibus. Quando chegou o ônibus amarelo, o pessoal começou a se aprochegar para fazer a fila para entrar. Depois de um curto período o pessoal começou a entrar e se acomodar no ônibus. Logo o guia começou a falar, pelo visto iria ser complicado entender ele, além de falar bem rápido, falava baixo de mais e meu estado de cansado só piorava a situação. Então perdi boa parte das informações, fora os trechos que eu estava praticamente cochilando. Mas foi interessante passar pelas casas onde eles cresceram e como eles viveram. A famosa rua Penny Lane, Strawberry Fields. Pena que eu estava cansado, não aproveitei tanto quanto imaginava, o stress com o pé tava grande. No final do tour o ônibus parou perto do Cavern’s, claro que o guia fez um convite para compras no Cavern’s. Mas já tinha comprado a minha camisa e fui para a estação.

Penny Lane (a verdadeira)

No caminho para a estação comprei um chinelo e meias, para tentar amenizar as dores no pé, principalmente da bolha. E quando coloquei o chinelo, descobri outra bolha no minguinho do pé direito, estorei na hora e coloquei um band aid. Começou a melhorar as coisas, mas mesmo assim, a perna direta tava acabada e o sono pegando. Fiquei até as 20:48 enrolando, pois era o horário que saia o trem.  Na volta tentei dormir, mas é complicado quando não da para reclinar a poltrona. Mas tentei cochilar um pouco. Cheguei um pouco atrasado na estação, fui correndo, pois o metro em Londres fecha logo após a meia noite. No fim deu tudo certo. Cheguei morto e fui direto dormir, sem atualizar nada.

 


Acabo de chegar no pais depois de 15 dias de férias, pilule
já sabendo que o país esta incendiando. Quando abro os jornais começo a ler as gigantescas manifestações que acontecem pelo país. Será que finalmente o povo brasileiro acordou? Vai começar a lutar por melhores condições de vida? O que vai acontecer se conseguirem que não aumentem os tais 20 centavos, anaemia
inicio de tudo?

A principio não teremos mais nada “plausível” para protestar e todos voltaram para casa, e continuaremos com os nossos problemas de sempre, mas pegando 20 centavos a menos no transporte publico precário.
Acredito que o brasileiro não deva parar por ai. Devemos exigir que nossos políticos realmente façam algo, parar com os bate papos idiotas deles, parar com as baboseiras que falam no congresso, começar a agir ao invés de enrolar o povo.
Cade a tal reforma política que nunca sai,  e com reais mudanças para evitar corruptos no poder. Com regras até para aumento de salários para os políticos e sempre atrelado com melhorias reais no pais.
Cade a reformar tributaria para aliviar nossos impostos, ou ao menos os impostos sejam gastos onde realmente se deva, mostrando claras melhorias no básico, sem mascaras que nossos governantes adoram colocar, inventando indicies que não medem realmente o que esta acontecendo.
Acredito que esta na no hora de pedirmos eleições gerais, impedindo que os atuais governantes não possam nem concorrer, para realmente mudar a cara do congresso. Chega dos que estão lá, que iludem a grande maioria mal instruída para continuar no poder. Ta na hora de mudar mesmo, cortar o mal pela raiz e nosso mal são os nossos governantes. Eleições gerais sem os atuais políticos.

Acabo de chegar no pais depois de 15 dias de férias, stomach
já sabendo que o país esta incendiando. Quando abro os jornais começo a ler as gigantescas manifestações que acontecem pelo país. Será que finalmente o povo brasileiro acordou? Vai começar a lutar por melhores condições de vida? O que vai acontecer se conseguirem que não aumentem os tais 20 centavos, inicio de tudo?

A principio não teremos mais nada “plausível” para protestar e todos voltaram para casa, e continuaremos com os nossos problemas de sempre, mas pegando 20 centavos a menos no transporte publico precário.
Acredito que o brasileiro não deva parar por ai. Devemos exigir que nossos políticos realmente façam algo, parar com os bate papos idiotas deles, parar com as baboseiras que falam no congresso, começar a agir ao invés de enrolar o povo.
Cade a tal reforma política que nunca sai,  e com reais mudanças para evitar corruptos no poder. Com regras até para aumento de salários para os políticos e sempre atrelado com melhorias reais no pais.
Cade a reformar tributaria para aliviar nossos impostos, ou ao menos os impostos sejam gastos onde realmente se deva, mostrando claras melhorias no básico, sem mascaras que nossos governantes adoram colocar, inventando indicies que não medem realmente o que esta acontecendo.
Acredito que esta na no hora de pedirmos eleições gerais, impedindo que os atuais governantes não possam nem concorrer, para realmente mudar a cara do congresso. Chega dos que estão lá, que iludem a grande maioria mal instruída para continuar no poder. Ta na hora de mudar mesmo, cortar o mal pela raiz e nosso mal são os nossos governantes. Eleições gerais sem os atuais políticos.

Trem da Virgin

Acordei as 3:30, buy pois tinha que pegar o ônibus para estacao Euaton e entao para Liverpool. Cheguei na parada perto da estação Bounds Green um pouco antes, viagra 100mg o ônibus iria passar as 4:23 e claro passou no horário, pharmacist da até para acertar o relógio pelos ônibus. Achava eu que a parada seria logo depois da Estação King Cross, mas não, entrou numa rua e seguiu, sorte que fiquei olhando o mapa. Decidi descer depois de uma breve reflexão e pegar um Taxi ate a estação. Cheguei em cima da hora, nem deu tempo para o café que eu tinha planejado.

Entrei no trem vazio, me acomodei e esperei andar. Claro que no horário marcado o trem sai da estação as 5:27, sem atraso, nem um minuto de atraso. Depois de um tempo de viagem, começa a se ter uma vista melhor da Inglaterra. Mas depois de um tempo fica monótono, como toda viagem longa. O bom que no trem tem serviço de bordo. Então lá fui eu pegar um café e algo para comer. Peguei um café, como sempre muito café, esqueço de pedir menor. Cheguei as 7:58 em Liverpool na plataforma 7.
Não tem como nao ficar emocionado ao chegar na cidade e lembrar dos Beatles. Principalmente que fui pra lá por causa deles, conhecer a cidade de uma das maiores bandas do mundo. Fui logo atras do Cavern’s Club, depois de caminhar um pouco e mancar muito, cheguei na Mathews Street. Mas ainda era cedo e o pessoal da limpeza urbana tava limpando a rua e o Cavern’s fechado.
Fui então para as docas, cheguei lá, um imponente prédio do museu de Liverpool, mas fechado ainda. Mas tinha ali perto The Beatles Store, onde tinha uma exposição do Elvis and Us, mais uma outra exposição de fotos tirada por um garoto de 16 anos na época, Paul Barrel fez varias fotos legais dos Beatles para conseguir um emprego de jornalista num jornal. A maioria de forma descontraída dos garotos de Liverpool. Quanto a exposição Elvis and Us, são na maioria fotos e algumas relíquias de Elivis, infelizmente não é permitido tirar fotos, então nem arrisquei. Acabei assistindo um filme 4D ali mesmo, sinceramente, não vale a pena. É sobre um garoto que esta atrasado para uma apresentação com a garota que ele ta afim, mas como esta atrasado ele pega carona com um maluco e enquanto passam por várias situações toca-se algumas músicas dos Beatles e passa em locais que tem haver com os Beatles.

The Cavern Club

Depois que sai do The Beatles Store, achei que poderia ter mais coisas, fui até o Cavern’s Club que ja estava aberto para tirar algumas fotos, tomar uma Guiness e comprar o Magical Mistery Tour para conhecer os pontos mais importantes dos Beatles em Liverpool. Mas fiquei sabendo que os ticket são comprados do outro lado da rua, no Cavern’s Pub, então fui lá, mais algumas fotos e comprei meu Ticket.

Quando fui esperar o onibus no local marcado, tive a sessação de que não estava no local certo, pois não estava achando o ponto de informações das docas que deveria ser perto do The Beatles Store, então analisei melhor o mapa e descobri que tem outro The Beatles Store. Mas caminhar até aquele ponto foi uma tortura, meu pé estava péssimo, sem condições, a bolha incomodando e por estar mancando a panturrilha começou a incomodar.
Cheguei lá e descobri que tinha outro museu, pelo visto um pouco maior. Mas pelo tempo acabei não entrando, pois já estava para sair o ônibus. Quando chegou o ônibus amarelo, o pessoal começou a se aprochegar para fazer a fila para entrar. Depois de um curto período o pessoal começou a entrar e se acomodar no ônibus. Logo o guia começou a falar, pelo visto iria ser complicado entender ele, além de falar bem rápido, falava baixo de mais e meu estado de cansado só piorava a situação. Então perdi boa parte das informações, fora os trechos que eu estava praticamente cochilando. Mas foi interessante passar pelas casas onde eles cresceram e como eles viveram. A famosa rua Penny Lane, Strawberry Fields. Pena que eu estava cansado, não aproveitei tanto quanto imaginava, o stress com o pé tava grande. No final do tour o ônibus parou perto do Cavern’s, claro que o guia fez um convite para compras no Cavern’s. Mas já tinha comprado a minha camisa e fui para a estação.

Penny Lane (a verdadeira)

No caminho para a estação comprei um chinelo e meias, para tentar amenizar as dores no pé, principalmente da bolha. E quando coloquei o chinelo, descobri outra bolha no minguinho do pé direito, estorei na hora e coloquei um band aid. Começou a melhorar as coisas, mas mesmo assim, a perna direta tava acabada e o sono pegando. Fiquei até as 20:48 enrolando, pois era o horário que saia o trem.  Na volta tentei dormir, mas é complicado quando não da para reclinar a poltrona. Mas tentei cochilar um pouco. Cheguei um pouco atrasado na estação, fui correndo, pois o metro em Londres fecha logo após a meia noite. No fim deu tudo certo. Cheguei morto e fui direto dormir, sem atualizar nada.

 


Acabo de chegar no pais depois de 15 dias de férias, pilule
já sabendo que o país esta incendiando. Quando abro os jornais começo a ler as gigantescas manifestações que acontecem pelo país. Será que finalmente o povo brasileiro acordou? Vai começar a lutar por melhores condições de vida? O que vai acontecer se conseguirem que não aumentem os tais 20 centavos, anaemia
inicio de tudo?

A principio não teremos mais nada “plausível” para protestar e todos voltaram para casa, e continuaremos com os nossos problemas de sempre, mas pegando 20 centavos a menos no transporte publico precário.
Acredito que o brasileiro não deva parar por ai. Devemos exigir que nossos políticos realmente façam algo, parar com os bate papos idiotas deles, parar com as baboseiras que falam no congresso, começar a agir ao invés de enrolar o povo.
Cade a tal reforma política que nunca sai,  e com reais mudanças para evitar corruptos no poder. Com regras até para aumento de salários para os políticos e sempre atrelado com melhorias reais no pais.
Cade a reformar tributaria para aliviar nossos impostos, ou ao menos os impostos sejam gastos onde realmente se deva, mostrando claras melhorias no básico, sem mascaras que nossos governantes adoram colocar, inventando indicies que não medem realmente o que esta acontecendo.
Acredito que esta na no hora de pedirmos eleições gerais, impedindo que os atuais governantes não possam nem concorrer, para realmente mudar a cara do congresso. Chega dos que estão lá, que iludem a grande maioria mal instruída para continuar no poder. Ta na hora de mudar mesmo, cortar o mal pela raiz e nosso mal são os nossos governantes. Eleições gerais sem os atuais políticos.

Acabo de chegar no pais depois de 15 dias de férias, stomach
já sabendo que o país esta incendiando. Quando abro os jornais começo a ler as gigantescas manifestações que acontecem pelo país. Será que finalmente o povo brasileiro acordou? Vai começar a lutar por melhores condições de vida? O que vai acontecer se conseguirem que não aumentem os tais 20 centavos, inicio de tudo?

A principio não teremos mais nada “plausível” para protestar e todos voltaram para casa, e continuaremos com os nossos problemas de sempre, mas pegando 20 centavos a menos no transporte publico precário.
Acredito que o brasileiro não deva parar por ai. Devemos exigir que nossos políticos realmente façam algo, parar com os bate papos idiotas deles, parar com as baboseiras que falam no congresso, começar a agir ao invés de enrolar o povo.
Cade a tal reforma política que nunca sai,  e com reais mudanças para evitar corruptos no poder. Com regras até para aumento de salários para os políticos e sempre atrelado com melhorias reais no pais.
Cade a reformar tributaria para aliviar nossos impostos, ou ao menos os impostos sejam gastos onde realmente se deva, mostrando claras melhorias no básico, sem mascaras que nossos governantes adoram colocar, inventando indicies que não medem realmente o que esta acontecendo.
Acredito que esta na no hora de pedirmos eleições gerais, impedindo que os atuais governantes não possam nem concorrer, para realmente mudar a cara do congresso. Chega dos que estão lá, que iludem a grande maioria mal instruída para continuar no poder. Ta na hora de mudar mesmo, cortar o mal pela raiz e nosso mal são os nossos governantes. Eleições gerais sem os atuais políticos.

fernandaoEscutei muitas vezes que um grande time começa por um grande goleiro ou um grande atacante. Mas revendo os grandes momentos do Inter, buy more about
as grandes conquistas, Sildenafil
eu percebo que um time começa por um líder, alguém que o resto do time possa se espelhar. Alguém que estará lá quando tudo parece complicado, parece impossível, quando ninguém mais acredita. Lá estará o líder, falando, gesticulando, se impondo e dizendo que tudo é possível, que nada, mas nada poderá tirar o prazer de uma boa batalha e que toda a garra mostrada por cada um terá seu valor, basta seguir o líder, basta escuta-lo, basta se espelhar no comandante. No caso do Inter, bastou o grupo acreditar nele, bastou o grupo seguir o exemplo de pessoa, de humildade, educação e inteligência.  E é claro dos conselhos que forneceu para quem quisesse escutar, para quem quisesse acreditar que tudo é possível e que nada esta perdido, basta ter o líder, basta ter o comandante, basta ter o capitão, basta uma braçadeira amarela no braço, basta ter o Capitão América, bastava ter o ETERNO FERNANDÃO. E que o peso da camisa nove e a braçadeira de capitão possam sempre ser sinônimo de vitórias e superação. Que um ídolo não seja apenas um grande jogador dentro de campo, mas uma grande pessoa fora de campo. Fernando Lucio da Costa, o Líder, o Capitão, o Ídolo, o F9, O ETERNO FERNANDÃO .

Write a comment

*